Iluminação cênica

A iluminação cênica e seus elementos

Sumário

A iluminação cênica tem a capacidade de evidenciar a arte.  O século XVII foi o marco dessa pratica se aperfeiçoando com o advento da eletricidade. A única luz existente nas apresentações vinha do sol, e por mais de dois mil anos era assim que acontecia as manifestações artísticas, mais precisamente 500 A.C e 1500 D.C.

Em algumas ocasiões, as encenações ocorriam nas igrejas da Idade Média, na Europa, no século XV. A vela, foi a única forma de iluminação artificial para o teatro. Todas as apresentações eram feitas a luz do dia em locais abertos, quando a anoitecia havia a necessidade de recorrer ao fogo com tochas e fogueiras. 

No Renascimento, no século XVI, a produção dos espetáculos ficava por conta do arquiteto do teatro, não só responsável pela iluminação mas também pela cenografia . O profissional da iluminação incorporava ideias importantes como iluminação indireta (com o uso de espelhos)e o escurecimento do auditório. Um item importante começou a ser utilizado: lâmpadas a óleo, para a iluminação pública e residencial, incluindo a idade média até o fim do século XVIII. O pavio era usado imerso em pequena quantidade de óleo, além de produzir luz, exalava fumaça e cheiro desagradável. Os óleos vegetais de alta qualidade, como óleo de oliva, produziam mais luz com menos fumaça, e o odor era melhor 

 

Mudanças substanciais na Iluminação Cênica

 

Em 1784  a lâmpada a gás  é introduzida nos palcos inventada pelo suíço Argand, foi um grande progresso comparadas às tradicionais lâmpadas a óleo de chama aberta. Com essa descoberta, a ciência mais uma vez se tornou aliada da arte com o emprego do conhecimento científico no papel do recém descoberto oxigênio em combustão. 

Argand introduziu as lâmpadas nos teatros franceses, o gás é utilizado de forma generalizada desde 1850.   A primeira adaptação bem sucedida foi no ano de 1803 no Lyceum Theatre de Londres, o idealizador foi o alemão chamado Frederick Winsor.  Em 1876, pela primeira vez, durante a representação de suas óperas em Bayreuth, Richard Wagner, mergulha a sala no escuro porém essa medida é pouco a pouco adotada na Inglaterra, na França e no restante dos teatros europeus.  Com um destaque maior ao espetáculo e diminuiu-se a luz na plateia, com isso o espectador perdeu a consciência da realidade e entrou em estado parcial de hipnotismo. 

 

Lyceum Theatre de Londres- Um dos expoentes quando o resultado é iluminação
Lyceum Theatre de Londres. Fonte: Hwww.unlikelymoose.com

 

Nessa imagem é possível visualizar o teatro Lyceum Theatre de Londres com vista da plateia
Lyceum Theatre de Londres – Vista PlatéiaFonte: Hwww.unlikelymoose.com

 

No século XIX as inovações técnicas e de infraestrutura continuaram com o teatro de Booth de Nova York. Os recursos de iluminação cênica também passaram por muitas inovações e experimentações, com o surgimento da luz e gás. No ano de 1879, Edson Edison fabrica a primeira lâmpada de incandescência com filamento de carbono possibilitando a generalização do uso de eletricidade nos teatros.   

 

Teatro de Booth NY
Teatro de Booth NY. Fonte: www.ckbphoto.net/family/washingtondc/crw_2756.htm

 

 A popularização da luz elétrica aconteceu no séc XIX, ocupando grandes teatros As primeiras instalações elétricas em palco italiano utilizavam luzes de ribalta, gambiarras e laterais.  O Savoy Theatre, em 1881, foi o primeiro a utilizar iluminação elétrica, passando a ser um dos principais elementos do espaço cênico. As  Primeiras mesas de iluminação apareceram em Londres e no Boston Theatre nos EUA. 

 

Savoy Teatre-Fonte: : Hwww.hotelsoftheworld.com

Valmir Perez, um dos expoentes da iluminação cenográfica no nosso país, em seu artigo intitulado:  Impactos da estética da luz, fala da importância da evolução da iluminação nos palcos de maneira geral. 

 

“Os artistas agora podiam pintar à noite e isso passou a ser especialmente interessante. A vida dos cabarés e teatros ganhava mais emoção. Nos teatros principalmente, em pouco tempo, mudanças na tecnologia já haviam mudado estéticas”.  

                                                         A tecnologia a favor da iluminação 

 

Quando um facho de luz incide sobre determinado ponto do palco, pode ter certeza que alguma coisa irá acontecer.  Além de determinar o lugar da cena, a iluminação tem o objetivo de estabelecer relações entre os artistas e os objetos. Com o advento de novas técnicas, os palcos ganharam importantes aliados para enriquecer os espetáculos, como a criação de novos aparelhos dotados de lentes. 

 

As lâmpadas especiais tiveram reflexo direto na qualidade das peças como: 

  • focagem,  
  • lentes de abertura do foco, 
  •  direcionamento preciso,  
  • regulagem de posição fixa ou móvel  

 

Esta última deu a possibilidade de cobrir o objeto de cena e artistas de qualquer ângulo e filtros coloridos.  É possível notar o uso de vários equipamentos como spotlights, que têm o objetivo de isolar e delimitar zonas de ação, colocando o artista em destaque. Com essa avanço os detalhes de elementos importantes como o cenário ganhou destaque, explorando as três dimensões.

spotlights
spotlights

 

Na maioria dos casos, as lâmpadas incandescentes alógenas de alta potência são as mais utilizadas nos refletores para lâmpadas palito e lâmpadas de descarga. Os profissionais da iluminação agora podem usufruir de projetores plano-convexos para fachos difusos, assim como o Projetor FresnelF.  Para iluminar artistas que estão em longas distancias,surgiram os canhões “seguidores”, essa ferramenta tem a capacidade de acompanhar  os participantes em qualquer direção. Formados por lâmpadas de descarga ou halógenas, permitindo a reprodução de formas geométricas e efeitos. Os projetores elipsoidais estão entre os mais especificados pelos criadores de iluminação cênica dos espetáculos.   Outro tipo de item é o Refletor com um tipo de lente dotada de sulcos prismáticos concêntricos. Dele se obtém uma luz muito constante, seus fachos se misturam sem deixar marcas ou contornos acentuados. 

Refletor para lâmpada Par 64
Refletor para lâmpada Par 64 Fonte: Magazine Luiza

 

Outros refletores bastante usados são as carcaças utilizadas com lâmpadas. A utilização de cores tornou-se cada vez mais presente nos espetáculos, e estes refletores permitem a utilização de gelatinas coloridas de forma bastante satisfatória. Paralelo a todo este avanço para atingirmos as condições de visibilidade em teatros fechados, foram surgindo mesas de controle com sistemas cada vez mais modernos, essas modificações foram capazes de proporcionar mais segurança e possibilidades ao operador da iluminação

 

A evolução tem proporcionado diversas modificações no cenário da iluminação. Atualmente, o item mais usado por iluminadores em todo o Brasil são as lâmpadas de led automatizadas.   É possível encontrar vários softwares gratuitos para o controle desses itens e, com isso, é possível programar a luz de teatros, shows ou nas próprias residências. Nos shows, o cantor já pode carregar um chip e todos seus movimentos serem monitorados com o acompanhamento da luz.  

 

Em matéria pata o Jornal Diário da manhã, Rodrigo Assis, projetista, professor e iluminador Cênico, formado em Artes e Design, com pós-graduação em docência universitária e em arquitetura e iluminação e supervisor do curso de Iluminação Cênica da Faculdade Ensine,o timecode, também é uma técnica utilizada é consiste na sincronização da luz e do áudio em determinada música. Esse artifício é geralmente utilizado em grandes eventos. Para o uso desse elemento é necessário um pré-projeto devido sua complexidade.

 

   Os significados da luz 

O humor e as ações das pessoas podem ser vistas de maneiras diferentes, dependendo da forma como a luz é inserida, causando as mais variadas ações psicológicas.  A luz consegue proporcionar uma nova configuração a qualquer objeto, mostrando facetas como textura, materialidade, ondulações e outros aspectos importantes. o espectador consegue ver toda a totalidade dos contornos sem sair de seu assento. O ator, diretor, dramaturgo, autor e produtor, Hamilton Saraiva, comenta a importância desse recurso para o teatro no artigo intitulado, Dicas de Iluminação Cênica, cujo o autor é Valmir Perez:

As cores na iluminação interferem na leitura emocional de cenas apresentadas. As cores podem criar uma linguagem própria e, ainda, ajudar ou prejudicar o resultado final de uma cena ou peça teatral, consoante o uso apropriado ou impróprio dos matizes, com relação ao sentimento almejado pelo criador, por parte da plateia.” 

 

Espetáculo BODAS DE SANGUE – foto de layza Vasconcelos

 

"<yoastmark

 

"<yoastmark

 

 

Rodrigo Costa Assis, destaca a importância das cores na contribuição da história que está sendo contada nos palcos. 

 

“No teatro as cores são mais saturadas, o vermelho representa tensão e paixão,  enquanto o azul passa a sensação de tranquilidade, por fim o verde, tristeza” 

 

O profissional acredita que a iluminação não consiste em apenas emitir a luz no palco, mas também se preocupar com o efeito que ela pode causar nos objetos expostos no cenário, por exemplo. Rodrigo, usa a analogia de um mágico para explicar o segredo de uma boa iluminação.

 

“O mágico faz sucesso porque o público não sabe como é feita a mágica, o segredo de um bom iluminador é esconder de onde vem a luz. Essa “mágica” só acontece quando o trabalho é feito juntamente com o diretor”. 

 

Rodrigo acredita que a boa iluminação é feita com planejamento esboçado no papel  Ele cita o exemplo das anotações feitas em papel, para visualizar melhor as mudanças feitas no cenário.

 

“Não podemos ser escravos da tecnologia e ficar amarrados em um sistema tecnológico que pode criar visualidades fantásticas ou cegar plateias com tanta luz, capazes de atrapalhar ao invés de ajudar na compreensão”

Dos palcos para as residências

 

A iluminação em grandes peças de teatro e shows, podem ser aplicadas em residências e eventos como casamentos e formaturas. O jogo de luz tem a capacidade de oferecer diferentes atmosferas ao avento. A coordenadora dos cursos de Arquitetura e Engenharia da Faculdade Ensine e também Supervisora do Curso de Pós graduação Projeto e Design de Interiores, Aline Gouvêa Leite,em publicação recente sobre o tema iluminação cênica, em seu site profissional, discorre sobre o tema falando sobres as possibilidade que a luz pode proporcionar.

 

O efeito de cores muito utilizado em espetáculos, também é aplicado em casamentos, formaturas, shows, fachadas de edifícios que ganham vida com apresentações luminosas. No evento, cria-se uma atmosfera que altera os momentos da festa de acordo com a cor e a intensidade da luz utilizada. Assim como em bares, restaurantes, igrejas e casas noturnas. Já as fachadas, se tornam um espetáculo em que até mesmo peças podem ser encenadas ao ar livre e vídeos possam ser apresentados. Ou somente o jogo luminotécnico é a própria atração.

 

Novos “iluminadores”  

 

Com a intenção de formar novos iluminadores e contribuir para a formação de profissionais da arquitetura, a faculdade EnsinE irá promover o curso de Iluminação cênica, sob supervisão de Rodrigo Costa Assis, e tem como principal finalidade oferecer não só o conhecimento técnico, mas também conceitual com a explicação da utilização da cor, planta baixa, mapa de iluminação, roteiro de luz entre outros temas.   

 Durante  o curso, serão abordadas questões históricas discutidas no início desse texto, além da evolução dos aparelhos eletrônicos e analógicos, além do uso de softwares para a manipulação da luz. 

 

 

Deixe um comentário

Você também pode gostar de ler

Mulher sentada em frente a uma mesa com livros olha para a câmera
Arquitetura e Engenharia

Designer de interiores: o que é e como se tornar um

Designer de interiores é o profissional responsável por planejar e projetar espaços internos. Essa é a definição básica presente no projeto de lei que reconheceu a profissão no final de 2016. Apesar da regulação recente, a ideia de projetar espaços interiores é muito antiga. De certa maneira, desde que a humanidade resolveu explorar as primeiras

Continuar lendo »
O mercado de trabalho para arquitetos e engenheiros
Arquitetura e Engenharia

O mercado de trabalho para engenheiros e arquitetos

É comum que o mercado de trabalho para engenheiros e arquitetos experimente momentos de euforia e depressão. Em alguns momentos faltam profissionais para a imensa quantidade de projetos. Já em outros, faltam projetos. Os arquitetos e engenheiros brasileiros conhecem bem essa história. Isso acontece porque os períodos de grande demanda por esses profissionais costumam estar

Continuar lendo »
Iluminação cênica
Arquitetura e Engenharia

A iluminação cênica e seus elementos

A iluminação cênica tem a capacidade de evidenciar a arte.  O século XVII foi o marco dessa pratica se aperfeiçoando com o advento da eletricidade. A única luz existente nas apresentações vinha do sol, e por mais de dois mil anos era assim que acontecia as manifestações artísticas, mais precisamente 500 A.C e 1500 D.C. Em algumas

Continuar lendo »
Arquitetura e Engenharia

Descubra a biofilia na arquitetura (e como ela pode fazer sua vida muito melhor)

O objetivo da biofilia na arquitetura é claro: aproximar as pessoas da natureza. Isso é feito com o uso de representações e elementos naturais em diferentes espaços.  A palavra já diz tudo: biofilia vem do grego e significa ‘amor às coisas vivas’. Quer saber porque esse amor às coisas vivas é importante para a arquitetura?

Continuar lendo »

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp.