Feliz Natal ou Boas Festas?

Sumário

Feliz Natal e Boas Festas são coisas bem distintas e até antagônicas. O Natal se reveste de religiosidade, fé e espiritualidade pois se refere ao nascimento de Cristo. Já as Festas de dezembro são festividades pagãs, com troca de presentes, comida, bebida e confraternizações.

Nos tempos da Roma Antiga, período pré-cristão, o politeísmo (crença em vários deuses) fornecia aos fiéis muitas oportunidades de festejar os deuses na terra: o amor, a caça, a colheita, a saúde, a guerra, a paz…

Na Roma Antiga, quase que semanalmente havia algum Deus a ser homenageado, e um maior número de festas ocorriam no mês de dezembro, no solstício de inverno, em função do término do ciclo agrário e a mudança de estação, entre elas em destaque a festa da Saturnália.

A Saturnália era um festival dedicado ao Deus Saturno, que se realizava entre os dias 17 e 23 de Dezembro. Fruto de antigos ritos agrícolas, as suas festividades incluíam troca de presentes, festejos e inversão de convenções sociais em festas com muita liberalidade, libertinagem, ceia farta e muita bebida alcoólica.

Outra festança Romana de solstício invernal era a celebração nascimento do Deus Sol Natalis Solis Invicti, o “Nascimento do Sol Invencível” e, segundo a lenda, foi o dia que o sol voltou atrás em sua partida em direção ao sul e provou ser invencível .

O 25 de Dezembro foi inserido no calendário civil romano como o Dia do Sol Invencível, que triunfa sobre a escuridão. A data marcava a virada do solstício de inverno, quando a luz do dia começava a aumentar gradativamente.

Com a introdução do cristianismo no império romano houve, por parte da igreja católica, uma tentativa de cristianizar os festivais pagãos. Há indícios de que a data de 25 de dezembro foi escolhida para representar o nascimento de Jesus Cristo, embora não seja possível comprovar o dia exato do natalício.

Nossa comemoração de Natal se tornou em uma festividade pagã arquitetada nas mesas dos mentores da sociedade de consumo, e sempre foi marcada pelas Boas Festas e, onde há festa, haverá de ter comemoração cercada de sabores.

Tradicionalmente, a ceia é a última das três refeições da Roma Clássica. Jantar com frango, a ceia das Boas festas se complementa com a ceia de Natal de forma quase indissociável hoje em dia.

Os alimentos usados na Ceia de Natal no Brasil tem origens diversas. O peru assado, por exemplo, é uma herança dos índios da América do norte, que serviam peru para comemorar a primeira grande colheita. Em contraste, a rabanada e o bolinho de bacalhau, têm origem portuguesa.

Peru assado: Foram os norte-americanos que tornaram o peru uma comida tradicional do Natal. Nos Estados Unidos já existe a tradição de comer a ave no Dia de Ação de Graças para comemorar o sucesso nas colheitas, coincidentemente no dia 25 de novembro. O peru significa fartura e por isso foi incorporado as ceias natalinas.

Rabanada: A rabanada foi criada como um alimento para recuperar mulheres após o parto na Europa, e por ser um doce gostoso, caiu no gosto popular. Acompanhado de vinho, a rabanada também é muito associada aos períodos religiosos, como a quaresma. Sabe-se que foi criada através da necessidade do reaproveitamento do pão (amanhecido), tendo em vista que sempre foi considerado um ingrediente sagrado, até mesmo por representar o corpo de cristo para os católicos.

Frutas frescas e secas: O Natal significa vida e as frutas representam a renovação da vida. No Brasil é costume preparar cestas cheias de frutas da época, como abacaxi, melancia, figo, manga, melão, romã e uva. Elas com certeza dão um charme à mesa e também ajudam a refrescar quem come. São sobremesas ideais para um país tão quente como o Brasil.

Já as frutas secas são uma tradição antiga. Há séculos os romanos davam as frutas secas como presente antes do início do inverno. Essas frutas representam a fartura, riqueza e proteção.

Vinho: O vinho também é muito utilizado no banquete e por isso, para os cristãos, o vinho simboliza o sangue de Cristo, o sagrado, uma porção de vida, o amor divino e a fertilidade.

Panetone: É uma das comidas mais tradicionais do Natal. Sua origem na ceia é desconhecida, mas se sabe que o bolo com frutas secas surgiu na Itália e ganhou o mundo. Uma das teorias sobre o surgimento do panetone é que os primeiros foram feitos em Milão, em 1.400, por um padeiro que queria impressionar a filha de seu patrão e, por isso, criou a receita. Como a receita deu certo, logo caiu no gosto dos clientes, que pediam o “Pani de Toni” (pão do Toni – nome do padeiro). Na receita original, o panetone é doce e com frutas secas.

Conheça o curso de Gastronomia Contemporânea da Faculdade EnsinE. É uma viagem à cultura gastronômica no mundo e na história da cultura alimentar no mundo.

A consciência teórica que permite uma compreensão do processo gastronômico e a identificação do comportamento alimentar da sociedade dos séculos XX e XXI.

Vegetarianismo, Veganismo, Frugivorismo, Crudivorismo. Plantas alimentícias não convencionais (PANC). Cozinha intuitiva, “Cozinha Fusion”; “goumetização” da alimentação; tendências da alimentação nas sociedades de consumo – a refeição do futuro; Padrão alimentar dos séculos XX e XXI.

Acesse e saiba mais. 

Referências:
oparana.com.br/noticia/voce-sabe-o-que-significam-os-alimentos-da-ceia-de-natal/

www.gazetadigital.com.br/editorias/cidades/das-frutas-ao-arroz-confira-o-significado-de-6-alimentos-da-ceia-de-natal/639397

segredosdomundo.r7.com/ceia-de-natal-origem-historia/

www.worldhistory.org/trans/pt/1-15567/saturnalia/

www.megacurioso.com.br/artes-cultura/118493-saturnalia-a-festa-paga-que-deu-origem-ao-natal-e-ao-carnaval.htm

www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft2412199904.htm

ensinarhistoria.com.br/linha-do-tempo/primeira-celebracao-de-natal/

www.caminhodovinho.tur.br/rabanada-antigo-classico-natalino/

veja.abril.com.br/blog/dias-lopes/o-pao-em-rabanada/

 

Deixe um comentário

Você também pode gostar de ler

Helena Rizzo
Gastronomia

Helena Rizzo – a garçonete que botou o Brasil na boca do mundo

Helena Rizzo, a modelo que virou chef de cozinha quando descobriu que podia colocar no prato seus sonhos, inquietações e força artística. Nesse mês em que homenageamos as mulheres, vamos conhecer um pouco da história da Helena Rizzo, a única chef mulher entre os restaurantes brasileiros estrelados no Guia Michelin. Nasceu no ano de 1978,

Continuar lendo »
Mcdonaldização da sociedade
Gastronomia

McDonaldização, comportamento de consumo da sociedade contemporânea

McDonaldização é uma teoria que foi desenvolvida pelo sociólogo americano George Ritzer, que introduziu o conceito de McDonaldização em seu livro de 1993, The McDonaldization of Society.  Segundo Ritzer, o termo McDonaldização se aplica quando a sociedade moderna se comporta com características moldadas nas lojas de fast-food (não especificamente McDonald’s, mas na maioria das lojas

Continuar lendo »
Gastronomia

Série Chef Empreendedor da Faculdade EnsinE ainda tem surpresas

Gratidão! Essa foi a palavra comum entre todos que participaram da Série Chef Empreendedor com João Alberto do Mercêdes Bistrô, criada pelo curso de Pós-graduação em Gastronomia Contemporânea da Faculdade EnsinE de Juiz de Fora.  Vejamos alguns números  2055 visualizações totais dos vídeos;  242 engajamentos;  18 cursos de pós-graduação ofertados;  2 sorteados para conhecer o Mercêdes

Continuar lendo »
Gastronomia

Gastronomia Contemporânea e a culinária Chinesa

O curso de pós-graduação em Gastronomia Contemporânea da Faculdade EnsinE, em comemoração ao Ano Novo Chinês, preparou a matéria abaixo devido à importância da história da culinária chinesa para a gastronomia mundial. Segundo o calendário chinês, este é o Ano do Tigre de Água. O tigre é o terceiro do zodíaco chinês e o animal

Continuar lendo »

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp.