Complexidade e as relações de Ensino-Aprendizagem

Conheça as disciplinas da Pós Graduação em Desenvolvimento Integral

Einstein tem a seguinte frase: “Nós não podemos resolver um problema com o mesmo estado mental que o criou.”

Esse é o espírito que rege a disciplina de Complexidade e as relações de ensino-aprendizagem da pós-graduação em Desenvolvimento Integral: Abordagens Pedagógicas para uma Educação Transformadora.

Seja VUCA, seja BANI, seja o termo da moda para justificar as transformações do mundo, que são cada dia mais velozes, o fato é que o mundo é um sistema mutável e aberto a qualquer interferência.

O grande potencial que temos, enquanto seres, é o de aprendermos a olhar para mudanças de forma saudável, sustentável, trazendo a nossa responsabilidade cidadã e ética para encontrar soluções que considerem o bem-estar do TODO, de forma inclusiva e diversa. Olharmos para nós pessoas, indivíduos, olharmos para os outros, o coletivo e todos os meios ambientes que estão conosco na Terra.

Os impactos das transformações são consequências das nossas atitudes, assim como os diversos problemas latentes que ameaçam a nossa existência. Cada vez mais precisamos começar a pensar e identificar padrões de maneira sistêmica para conseguirmos compreender melhor as realidades e informações a que temos acesso, afinal todo o processo de ensino-aprendizagem é afetivo e ele é o que compõe a nossa visão de mundo.

A nossa construção de visão de mundo é o que rege o modo como nos relacionamos e ocupamos os sistemas e é a partir desta concepção que, na nossa disciplina, construímos dentro de 4 perguntas um fio sustentável para refletirmos sobre:

  1. Como é a vida pela sua lente?

Observando todo o conhecimento pessoal que nos permite construir a nossa visão de mundo;

  1. Por que precisamos mais de problemas do que de soluções para aprender?

Analisando o que é complexidade, como é fazer parte de um mundo complexo avaliando nossa construção de realidade, nosso potencial de acesso a conhecimento e informações e nossa responsabilidade ética com tudo e todos;

  1. Que tipo de ambiente e relações estamos cultivando para a aprendizagem?

Aprofundando sobre o que é o pensamento sistêmico e como, ao desenvolvermos essa percepção do TODO, somos capazes de criar sistemas e culturas que estejam abertos a inovação e a educação integral, nos reconectando a habilidades inatas que podem nos levar a uma consciência planetária;

  1. O que é uma educação sensível que considera o EU, o NÓS e o TODO?

Refletindo sobre qual a importância de todos os elos do sistema escolar no processo de uma aprendizagem que considere as pessoas estudantes de forma integral, seja aberto a experimentação, a diversidade de saberes e culturas e, principalmente, a construção de um espaço que todos estejam disponíveis e desperte confiança para os processos individuais e coletivos de desenvolvimento e crescimento mútuo.

Todas as análises e reflexões são feitas a partir de grandes pensadores da nossa contemporaneidade como o filósofo Edgar Morin, o físico teórico Fritjof Capra, o professor do MIT Peter Senge, a filósofa Terezinha Rios, a educadora Maria Amélia Pinho Pereira (Peo) fundadora do Centro de Estudos Casa Redonda, entre outros.

Mais do que essencial, falar sobre os dias atuais para conceber uma educação integral é compreender que no âmbito coletivo nós quem construímos os sistemas e culturas que nos moldam e por eles somos profundamente afetados.

Acompanhe nosso blog para entender o que vamos estudar na Pós-Graduação em Desenvolvimento Integral: Abordagens Pedagógicas para uma Educação Transformadora:

Docência e tomada de consciência

 Fundamentos do Desenvolvimento Integral 

Introdução para um Perspectiva Integral

Conheça o Mapa Integral

 

Compartilhe!

Deixe um comentário

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp.