Vale a pena ter feed vitrine no Instagram?

Nos últimos anos temos acompanhado a ascensão do marketing digital. As marcas finalmente perceberam que quem não é visto, não é lembrado, ou seja: sua empresa deve marcar presença na internet.

Mas estar nas redes não é o mesmo que do que entregar um conteúdo transformador. Não é a mesma coisa do que construir uma comunidade engajada. Pensa só no seu feed do Instagram, o que te chama mais atenção: uma blusa pendurada em um cabide ou um vídeo de looks com essa mesma blusa?

O feed vitrine é aquele que apenas expõe um produto. Pouco comunica, não fideliza, não gera emoção e não constrói uma relação com o potencial cliente, só está focado na venda. Mas faz sentido estar numa rede social, se não é para se relacionar com os usuários?

Por outro lado, muita gente argumenta que o feed vitrine é a fachada de uma marca e que auxilia na venda. Realmente, postar a foto de um produto pode levar um potencial cliente ao seu site e assim, gerar conversão. Mas vamos combinar, não é todo mundo que te segue que já está decidido em efetuar uma compra. Aí é que entra o Marketing de atração, mais especificamente o fundo de funil, mas já já a gente fala disso.

Mas então como fugir do feed vitrine?

Para criar uma rede de troca entre a sua empresa e o seu potencial cliente, é necessário oferecer algo além do produto: é necessário gerar conexão. Por isso, nesse post a gente te dá 5 dicas para alcançar essa missão e fugir daquele feed genérico.

Invista no fundo de Funil

Ao postar só foto de produto, você não atrai aquele potencial consumidor que ainda nem sonha em conhecer sua marca. Além disso, o feed vitrine pula as fases primordiais do funil de marketing: a atração e a retenção. É produzindo conteúdo para topo de funil que você aumenta sua base e atrai visitantes regulares ao seu perfil. Esse é o momento para investir em conteúdos que entretém e geram identificação.

Já no meio do funil, o foco é entregar conteúdos mais densos para reter e apresentar soluções viáveis para o problema do seu público-alvo. Para isso, vale investir em  blog post, ebooks, webinars e materiais que possam gerar landing page.

Construindo conteúdo a partir do funil de marketing, você prepara o cliente para uma jornada dentro da sua marca até finalmente a decisão de compra ou o fundo do funil. Nesse momento, mostre a autenticidade do seu produto, capriche nas chamadas para ação (CTA) e revele o diferencial da sua empresa. Para isso, você pode investir em blogs corporativos, descritivos do seu produto e no seu próprio site.

O influenciador Paulo Cuenca produz conteúdo seguindo o fundo de funil.

Organize seu conteúdo (Gratuito x Pago)

Se você está nas redes para divulgar o seu serviço e/ou infoproduto, mas fica receoso de entregar “tudo” de forma gratuita, está na hora de organizar as ideias. Produzir conteúdo sobre de valor para a sua comunidade no Instagram, ajuda a construir autoridade e aumentar a sua base de potenciais clientes. Com isso, quando você oferecer uma mentoria ou um curso pago, vai ser muito mais fácil converter clientes, porque as pessoas sabem que seu conhecimento tem valor.

O que difere um curso gratuito de um pago é a estruturação do pensamento. Enquanto no grátis as pessoas precisam acompanhar tudo e estruturar os conteúdos sozinhas, na versão paga os conteúdos já vem prontos para o consumo em ordem e com mais chance de botar a teoria em prática.

As irmãs Alcântara produzem conteúdo gratuito de qualidade para incentivar seus seguidores a comprarem o conteúdo pago.

Incentive o diálogo

Você não está numa rede social para vender, você está na internet para se relacionar. Sustentando um diálogo com a sua comunidade, você irá vender. Responder comentários, gravar stories, fazer lives são algumas formas de interagir com seu público e alvo e uma oportunidade de mostrar o seu conhecimento ou o diferencial da sua marca.

Outra forma de abrir um espaço de diálogo no seu perfil, mas ao mesmo tempo mostrar autoridade no seu nicho, é compartilhar cases de sucesso de clientes. Depoimentos, feedbacks e retornos sobre o seu produto e/ou serviço ajudam a humanizar a sua marca e ainda garantem notoriedade. Além disso, compartilhar fotos ou vídeos dos seus clientes no seu feed, faz com que eles se sintam parte de um todo.

A marca da empreendedora Bianca Andrade compartilha fotos de seguidoras, incentivando o dialógo.

Invista em templates

Trabalhar com Instagram é saber um pouco de tudo, não é mesmo? Afinal, não é só de escrita que vive uma boa comunicação, o design é um instrumento importante para reforçar a identidade da sua marca.

Mas se você ainda não tem um orçamento para investir em um designer para a sua marca, há ferramentas que podem te auxiliar nessa missão. Por exemplo, o Canva é um recurso bastante didático e que já vem com templates prontos para você criar seus conteúdos. É so adaptar as cores e fontes de acordo com a identidade visual da sua marca e tcharam: conteúdo feito para postar!

 

Mas e você, depois de todo esse papo ainda acha que vale ter um feed vitrine? Vem conversar com a gente!

Compartilhe!

Deixe um comentário

Estamos atendendo pelo WhatsApp

Seguindo as recomendações da Organização Mundial da Saúde, estamos trabalhando de home office temporariamente. Se precisar de atendimento, pode nos enviar um WhatsApp que responderemos o mais breve possível!