Síndrome de Burnout: por que estamos todos cansados?

O que você vai ler

A síndrome do burnout é um fenômeno que vem crescendo de maneira alarmante em todo o planeta. Caracterizada por um estado de esgotamento físico e emocional extremo, essa condição afeta milhões de pessoas em todo o mundo e tem se tornado uma das grandes questões de saúde pública.

Você se sente esgotado, sem energia, e cada vez mais distante do trabalho? Se a resposta for sim, você pode estar sofrendo com a síndrome de burnout, um problema que cresce a passos largos e afeta milhões de pessoas em todo o mundo.

Mas o que é a síndrome do burnout, por que ela está se tornando tão comum e como podemos combatê-lo?

A resposta não é tão simples e passa por mudanças estruturais. Burnout é o reflexo na saúde física e mental de pessoas vivendo em um ritmo cada vez mais acelerado e intenso. A demanda por produzir ininterruptamente, o fluxo interminável de informação, a pressão social pela perfomance ótima: tudo contribui para um modo de vida insustentável.

Neste texto vamos entender o que é a síndrome de burnout, quais suas causas, seus sintomas e o que fazer para evitá-la.

Leia também

Como escolher a faculdade certa quando o futuro é incerto?

Como o cérebro aprende?

O alerta da OMS sobre adoçantes

Qual especialização em enfermagem escolher?

O que é síndrome de burnout?

O termo “burnout” surgiu na década de 1970, a partir do trabalho do psicanalista alemão Herbert Freudenberger, que observava o esgotamento físico e mental de profissionais que trabalhavam com vítimas de violência.

Freudenberger utilizou a palavra “burnout”, que em inglês significa “queimar até se apagar” ou “ficar esgotado”, para descrever o estado de exaustão profunda que esses profissionais apresentavam.

O termo rapidamente ganhou popularidade e passou a ser utilizado para se referir ao esgotamento profissional em diversas áreas, não apenas no trabalho com vítimas de violência.

Atualmente, a Síndrome de Burnout é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um problema de saúde pública que afeta milhões de pessoas em todo o mundo.

Evolução do conceito

  1. Década de 1970: Freudenberger utiliza o termo para descrever o esgotamento de profissionais que trabalhavam com vítimas de violência.
  2. Década de 1980: O conceito se amplia para incluir o esgotamento profissional em outras áreas.
  3. Década de 1990: A OMS reconhece o Burnout como um problema de saúde pública.
  4. Século XXI: O Burnout se torna um tema cada vez mais debatido e pesquisas aprofundam o conhecimento sobre a síndrome.

Por que o burnout está crescendo?

O burnout está crescendo devido a uma cultura da produtividade que pressiona os indivíduos a serem sempre mais eficientes, impulsionada pela competitividade no mercado de trabalho.

A constante conectividade proporcionada pela tecnologia nos mantém ligados ao trabalho 24 horas por dia, afinal, dificultando a desconexão e o descanso. Além disso, a instabilidade econômica e a insegurança no emprego aumentam o estresse e a necessidade de trabalhar além do limite.

O impacto do burnout é significativo: na saúde mental, leva a problemas como ansiedade, depressão, insônia e síndrome do pânico; na saúde física, pode desencadear doenças cardíacas, diabetes e doenças autoimunes. Para as empresas, o burnout resulta em baixa produtividade, absenteísmo e alta rotatividade de funcionários, gerando prejuízos econômicos.

Seja especilista em Enfermagem

Pós-graduações para quem está atrás das melhores oportunidades na carreira de Enfermagem
pós

Mundo em crise, pessoas esgotadas

Durante o período da pandemia, sobretudo nos primeiros meses, os profissionais da saúde foram expostos ao trabalho excessivo, tendo que realizar jornada dupla em  muitos hospitais, além de conviver diretamente com a iminência de contrair o Covid 19 e transmitir para pessoas próximas da família.

Em pesquisa recente, aliás, a Fundação Oswaldo Cruz  (FIOCRUZ) analisou os reflexos da pandemia e do isolamento social na saúde mental dos trabalhadores de maneira geral, e revelou que os sintomas de ansiedade e depressão atingiram 47,3% dos profissionais durante a pandemia, no Brasil e na Espanha.

De acordo com a mesma pesquisa, 27,4% do total de entrevistados sofre de ansiedade e depressão concomitantemente , sendo que 30,9% foram diagnosticados ou fizeram tratamentos para doenças mentais no ano anterior.

O coordenador do curso de Enfermagem Intensiva da Faculdade Ensine, Pablo Corrêa, destaca a importância de identificar o burnout em trabalhadores de saúde, especialmente enfermeiros: 

“Nós, como profissionais líderes, precisamos reconhecer os enfermeiros que muitas das vezes trabalham em jornadas duplas de trabalho, e ter a sensibilidade de notar mudanças de humor desses trabalhadores e saber encaminhar para o suporte necessário”.

Síndrome de burnout é “doença da moda”?

Reconhecer o esgotamento de trabalhadores não tem nada a ver com modismos. Muito pelo contrário, falamos cada vez mais de burnout porque estamos mais conscientes e, naturalmente, mais cansados.

Diversos fatores contribuíram para a popularização do termo. Por exemplo, as mudanças estruturais no mundo do trabalho nas últimas décadas, como a globalização e a competitividade, aumentaram os níveis de estresse entre os trabalhadores.

Por outro lado, também existe hoje uma crescente conscientização sobre a saúde mental. Ou seja, a sociedade está cada vez mais consciente da importância da saúde mental e os tabus em torno do assunto estão diminuindo. Isso levou, por sua vez, a um reconhecimento institucional do burnout como doença ocupacional, o que também contribui para uma maior consciência sobre o problema.

No Brasil, por exemplo, a síndrome de burnout já é reconhecida como doença ocupacional, o que garante aos trabalhadores o direito a tratamento e afastamento do trabalho.

Sintomas do burnout

A sindrome de burnout tem como principal característica o esgotamento físico e psíquico, ocasionando uma série de sintomas que podem se manifestar das seguintes formas:

  • Fadiga extrema, dores corporais e enxaquecas
  • Sono excessivo ou insônia
  • Afastamento de pessoas próximas do convívio 
  • Depressão e ansiedade
  • Lentidão do raciocínio e perdas na memória
  • Alteração abrupta de humor
  • Crises de choro

Sem tratamento, o burnout pode trazer consequências preocupantes, como vício e abuso de substâncias, insônia e distúrbios alimentares, além de alterações fisiológicas como fadiga contínua, doenças gastrointestinais, cardiovasculares, ataques cardíacos, colesterol, diabetes, úlceras, dores e problemas femininos no ciclo menstrual. 

Como combater o burnout

O combate ao burnout é um desafio que exige ação individual, mudanças no ambiente de trabalho e uma nova cultura que valorize a saúde mental e o bem-estar de todos. Algumas ações importantes são:

  • Autoconhecimento: Identifique seus próprios limites e necessidades para evitar a sobrecarga.
  • Comunicação: Comunique seus limites aos seus superiores e colegas para evitar conflitos e frustrações.
  • Descanso: Defina horários para o trabalho e para o lazer, priorizando o descanso e atividades que te relaxem.
  • Organização: Organize suas tarefas e delegue quando possível para aliviar o excesso de trabalho.
  • Saúde mental: Busque ajuda profissional para lidar com o estresse e ansiedade.

Deixe um comentário

Você também pode gostar de ler

Enfermagem

Síndrome de Burnout: por que estamos todos cansados?

A síndrome do burnout é um fenômeno que vem crescendo de maneira alarmante em todo o planeta. Caracterizada por um estado de esgotamento físico e emocional extremo, essa condição afeta milhões de pessoas em todo o mundo e tem se tornado uma das grandes questões de saúde pública. Você se sente esgotado, sem energia, e cada vez mais distante do trabalho? Se a resposta for sim, você pode estar sofrendo com a síndrome de burnout, um problema que cresce a

Continuar lendo »
Educação Física

21 profissões em alta no mercado de educação física

O mercado de Educação Física está em constante expansão, oferecendo uma vasta gama de oportunidades para profissionais dinâmicos e dedicados. Desde a recreação até a reabilitação, passando por ginástica laboral e treinamento funcional, há inúmeras áreas em alta esperando por você. Esqueça aquela história de que só dá para ser personal ou professor no mercado de educação física. Na verdade, as possibilidades de atuação nessa área são virtualmente infinitas. Considerada uma das profissões do futuro pelo Bureau of Labor Statistics,

Continuar lendo »
Nutrição

Nutricosméticos e Nutracêuticos: o que são e quando usar

À medida que o interesse dos consumidores por produtos holísticos e naturais aumenta, duas abordagens sobre alimentação e estética ganham destaque no mundo da beleza: os nutricosméticos e os nutracêuticos. Alias, essas substância não só proporcionam benefícios nutricionais para a pele e cabelos, mas também estão em perfeita sintonia com o novo perfil de consumo, caracterizado pela crescente busca por sustentabilidade e bem-estar. Leia também O alerta da OMS sobre o uso de adoçantes Guia da presença digital para nutricionistas

Continuar lendo »
Notícias

Era doce e se acabou? O alerta da OMS sobre adoçantes

Pode tomar adoçante todo dia? Quem não tem diabetes pode usar adoçante? O que é mais saudável açúcar ou adoçante? Afinal, quantas gotas de adoçante no café? Organização Mundial da Saúde desaconselha o uso de adoçantes-sem-açúcar pela população em geral A dúvida sobre o que é mais saudável – se açúcar ou adoçante – é antiga e vem dividindo opiniões. Um relatório recente da Organização Mundial da Saúde (OMS), no entanto, renova o alerta de que o consumo de adoçante

Continuar lendo »

Estamos de recesso nesta quinta-feira

No dia 13 de junho, todos os setores da EnsinE estarão em recesso.

Se precisar de atendimento, envie-nos uma mensagem que responderemos assim que estivermos de volta!

Até logo!