Por que a educação física é a profissão do futuro?

Eu, como professor de educação física e nutricionista, sempre digo que a educação física é a profissão do futuro. Embora, possa haver discordâncias entre opiniões eu sustento meu posicionamento por intermédio de evidências.

As justificativas pelos quais sustento meu argumento de que a educação física é a profissão do futuro, podem abarcar diversas áreas, tais quais: escolas, clubes, spas, academias de ginástica ou lutas, personal trainer,  condomínios, resorts, colônia de férias, transatlânticos, box de crossfit, lutas, centros de reabilitação cardiometabólica ou do aparelho locomotor, centros de saúde primária ou secundária, hospitais e etc).

Porém, hoje vou me posicionar somente pela ótica da saúde pública, ok?

Metade da população do planeta está acima do peso ideal 

Você sabia que metade da população mundial está acima do peso ideal? O que quer dizer que mais de 50% da população do planeta apresenta um peso corporal que aumenta as chances de desenvolvimento de doença cardiovascular, a principal causa de mortes no mundo todo.

Sabemos que a reeducação alimentar é a principal conduta associada ao emagrecimento, especialmente por ajustar o consumo das calorias alimentares diárias! Ou seja, o ajuste da dieta é capaz de promover o déficit calórico e estimular o corpo a completar as calorias que não foram alcançadas com a alimentação.

Assim, ao comer menos seu corpo precisa de energia para manter suas funções vitais, no entanto como há uma redução das calorias alimentares em função do déficit calórico, seu corpo tira essa energia de suas reservas de gordura!  Dessa maneira você reduz diária e progressivamente a quantidade de tecido adiposo estocada nas diversas porções de seu corpo, especialmente na região abdominal cuja concentração está diretamente associada ao desenvolvimento de doenças que comprometem o metabolismo e por conseguinte a saúde como um todo.

Dieta é mais importante que exercício físico para emagrecer?

Você pode estar se perguntando, “ora então a dieta é a mais importante no processo de emagrecimento?” A resposta é Não!

Sabemos que emagrecer é relativamente  fácil porém a manutenção do peso perdido é o mais difícil, uma vez que seu corpo possui um dispositivo cerebral que é condicionado a regular o metabolismo a partir do maior tempo em que você se encontrar acima do peso. Ou seja, quanto mais tempo você ficar acima do peso ideal maior será o condicionamento de que o seu cérebro precisa manter seu metabolismo regulando esse maior peso.

Portanto, quando você emagrece, ele emite sinais que tentam reaver o peso perdido! Esses sinais entre outros são de hormônios que aumentam a fome e apetite e também reduzem os que sinalizam saciedade!

“Poxa Santiago, você está me enrolando! Cadê o exercício físico nesse processo?”

Meu querido, calma por que a ansiedade é um dos problemas que atrapalham as pessoas que tentam emagrecer, hein?! E a prática de exercícios físicos é comprovadamente capaz de melhorar os níveis de ansiedade, porém não será hoje o foco da minha discussão, entretanto se você gosta desse assunto, leia o último post que fiz, pois abordo esse tema lá.

Como eu dizia, a manutenção do peso perdido é a parte mais difícil para quem luta contra a balança! Os estudos demonstram que é esperado o reganho de 25% do peso perdido após o primeiro ano de emagrecimento e 50% após 2 anos.

Mas nem tudo está perdido, pois o ganho de massa muscular é um dos principais aliados contra o reganho de peso! Estudos apontam que quanto maior a quantidade de massa muscular que você desenvolve a partir da prática de exercícios físicos seja ele aeróbio ou resistido, menor serão os valores de reganho!

Além disso, caso o aumento de massa muscular seja satisfatório, principalmente a partir da prática de exercícios resistidos como musculação, pilates, crossfit e até mesmo yoga, maiores serão as chances de sustentação do peso perdido, o que diga-se de passagem é mais difícil que o emagrecimento em si.

 

E as taxas de sedentarismo?  

A inatividade física é apontada como uma dos principais fatores associados ao desenvolvimento de doenças cardiometabólicas (obesidade, dislipidemia,  hipertensão arterial sistêmica, diabetes melitus do tipo 2, doença renal crônica).

Eu não vou nem entrar no mérito das doenças incapacitantes associadas ao absenteísmo do trabalho (cervicalgia, lombalgia, hérnias de disco), por que se eu disser que os estudos apontam que 85% das pessoas no mundo se não já tiveram, vão ter algum problema de coluna ao longo da vida, é capaz das pessoas ficarem ainda mais preocupadas.

Eu poderia usar esses dados para amedrontar as pessoas e o incentivo a prática regular  de exercícios físicos vir a partir do medo, porém acredito mais no poder da auto-reflexão e humanidade!

Digo isso pois o professor de educação física deve entender que existe muitas questões associadas ao sedentarismo, desde sociais e ambientais até mesmo culturais e psicológicas.

No entanto, a prática de exercícios físicos é considerada a principal maneira de melhorar o funcionamento do corpo.

Os benefícios são inúmeros, mas podemos destacar a eficácia do processamento de toda a energia circulante advinda dos alimentos a partir da melhora da capacidade metabólica e anti-inflamatória e também o fortalecimento da musculatura esquelética.

Esse último benefício além de poupar o desgaste natural que acontece nas articulações também promove a liberação de substâncias que retroalimentam os benefícios supracitados quanto ao metabolismo como um todo.

Assim, torna-se sinequanon manter o corpo em movimento para obter esses benefícios, todavia é necessário que o profissional de educação física esteja participando ativamente desse processo.

O papel do profissional de educação física é fundamental para que haja a avaliação quanto as limitações e o nível de aptidão física de quem necessita fazer exercício físico. Além disso há a identificação da melhor forma de exercício físico, monitoração das cargas de treinamento físico, seja musculação, exercício aeróbio, HIIT, crossfit e demais modalidades esportivas.

 

O que é preciso para que o profissional de educação física se destaque no mercado?

 

Agora que já demonstrei o enorme mercado de atuação do profissional de educação física vem a parte em que eu descrevo o que é necessário para que esse profissional se destaque no mercado. A resposta é muito simples, capacitação.

Quanto mais informação e conhecimento (essas palavras não são sinônimas) maior será a capacidade do profissional de educação física desbravar o caminho necessário para resolver os diversos problemas que as pessoas apresentam. Desde a tomada de decisão de se engajar em uma atividade física que lhe proporcione prazer e que consiga manter ininterruptamente até mesmo identificar as limitações ortopédicas ou socioeconômicas e culturais que as impedem de fazer exercícios físicos.

São milhões de pessoas necessitando de bons profissionais de educação física, porém é preciso querer ser um bom profissional. Se você futuro profissional de educação física já se decidiu, saiba que existem faculdades que sabem dessa necessidade e priorizam você como agente ativo no processo de aprendizado.

Ou seja, não é o professor universitário que vai ensinar você a ensinar a educação física pelo mundo e sim você que vai ditar o que quer aprender.

Esse é o futuro do ensino e também o diferencial entre os futuros profissionais de educação física. Esse será o profissional que se destacará no mercado, consciente, seguro, capacitado e autônomo! Tanto quanto a carreira como pela capacidade de resolver os diversos problemas apresentados pelas pessoas que precisam de exercício físico, saúde e qualidade de vida.

Compartilhe!

1 comentário em “Por que a educação física é a profissão do futuro?”

Deixe um comentário

Estamos atendendo pelo WhatsApp

Seguindo as recomendações do Ministério da Saúde, estamos trabalhando de home office temporariamente. Se precisar de atendimento, pode nos enviar um WhatsApp que responderemos o mais breve possível!