EnsinE apoia projeto de capacitação de atletas em Juiz de Fora

O que você vai ler

Não tem jeito, desde que aquele menino franzino saiu da pobreza para ser consagrado rei, o sonho de ser jogador de futebol tomou conta dos corações brasileiros.

Essa é a história de Pelé, mas é também a de tantos outros meninos: pobres e sem perspectiva de prosperar na vida em um país que por centenas de anos restringiu o acesso à educação e oportunidades de emprego qualificado a um pequena parcela privilegiada da população.

Leia também

Ele quer mais:  tricampeão Cleber Reis chega com tudo no Arnold Classic Brasil 2023

Curiosidades sobre o futebol que você nem imaginava

Saiba tudo sobre água (e porque você precisa se hidratar)

O futebol transforma

Sim, a verdade é dura. E para enfrentar essa condição tantos desses meninos recorreram ao talento: o talento do corpo, do drible. Não por acaso o futebol se tornou um dos principais caminhos de ascensão social para aqueles que têm muito pouco, quase nada.

Sérgio Almeida – que é educador físico, gestor de futebol e trabalha com empresas de agenciamento de atletas – conhece essa realidade de perto: “eu tenho aluno que começou treinando comigo descalço, não tinha dinheiro nem para uma chuteira, aluno que só tinha iogurte com biscoito para o almoço”.

Sérgio é um empresário atuante no mundo do futebol em Juiz de Fora e sabe que muitas vezes o esporte salva.  “É comum, já vi muito menino que mata aula, que tem um comportamento agressivo, mas que depois que entra no esporte percebe a oportunidade que tem, e aí fica mais disciplinado e dedicado”.

A capacitação de atletas no Brasil

Nas últimas décadas, o país do futebol viu surgir uma complexa rede de escolinhas, peneiras e centros de treinamento onde os meninos que sonham em repetir o caminho de Pelé se aventuram pela primeira vez. 

Embora esse momento de entrada no mundo do futebol seja fundamental, existe um buraco que pode muitas vezes interromper a carreira desses meninos antes mesmo de começar. Trata-se de um momento crítico, no início da vida do jogador, que não é contemplado por essa rede de escolas de futebol.

“Quando chega no sub-17 e vai para um clube fazer um teste de peneira, é comum muitos serem dispensados porque a concorrência é grande, o problema é que esse garoto volta e nem sempre encontra um espaço para continuar treinando”, explica Sérgio.

A maldição dos sem-bola

O que pode parecer uma pausa, um mero intervalo na carreira do menino, acaba virando um abismo. Sem lugar para treinar, eles tentam preencher esse buraco com uma rotina de exercícios físicos durante a semana e uma pelada com os amigos de vez em quando. E é aí que o futuro atleta cai na maldição que muitas vezes é fatal para sua carreira: a falta do tempo de bola.

Assim, por melhores que eles sejam nas peladas, ficam cada vez mais distantes da média de corte para entrar no sonhado mundo do futebol profissional.

Um projeto para a capacitação de atletas em Juiz de Fora

Esse buraco existe em Juiz de Fora. Há um abismo entre os times profissionais e esses meninos que já estão velhos demais para continuarem em escolinhas. E a carreira de muitos potenciais jogadores na cidade foi e é interrompida por essa falta.

Foi pensando em solucionar esse problema que Sérgio se juntou a outros profissionais de educação física que atuam no mundo do futebol em Juiz de Fora para criar um projeto de transição das categorias de base para o profissional: o Projeto de Rendimento Elite

O Elite é um projeto social, ainda em fase de captação de recursos, e servirá como estrutura de manutenção e capacitação dos atletas entre 15 e 24 anos que ainda estão buscando a aprovação nas peneiras dos times profissionais. 

Sérgio explica que somente em recursos humanos, o projeto deverá custar cerca de 40 mil reais para os primeiros 10 meses de execução (período projetado para a implementação e teste do modelo na cidade). Fora os gastos com uniformes, material esportivo, locais de treino, etc.

O apoio da EnsinE aos futuros atletas da cidade

É aqui que entra o apoio dos empresários e instituições que apoiam e valorizam o esporte em Juiz de Fora.

Os uniformes, por exemplo, foram doados pela EnsinE. “A gente procurou o Vitor Hugo da EnsinE para apoiar esse projeto de transição que não existe na nossa região hoje. E ele se dispôs imediatamente a financiar todo o uniforme do Projeto Elite!”, conta Sérgio.

Uniforme do Projeto Elite patrocinado pela Ensine!

Essa é uma das muitas ações da Faculdade para apoiar projetos que movimentam a educação física em Juiz de Fora. Estamos comprometidos a fomentar o potencial esportivo da cidade e transformar a vida das pessoas!

A importância de uma formação de excelência

Se antes bastava a genialidade de um Garrincha, por exemplo, hoje o mundo profissional do futebol está muito mais concorrido e exigente. Para se tornar jogador de futebol é necessário muito preparo. Não só físico e emocional, mas também conhecimento tático, capacidade de análise, aprimoramento técnico e de habilidades pessoais. Foi-se o tempo em que talento bastava: o jogador de futebol deve ser completo.

O Projeto de Rendimento Elite tem um papel importante nessa formação e muito a contribuir com a cidade! É por isso que nós o apoiamos.

Ninguém leva a Educação Física tão a sério quanto a EnsinE porque nós sabemos que ela é capaz de mudar vidas e transformar a realidade! Clica aqui para saber mais sobre a melhor Graduação em Educação Física de Juiz de Fora!

Deixe um comentário

Você também pode gostar de ler

Matemática

IA nas empresas: desafios e oportunidades para crescer

Uso de inteligência artificial nas empresas é fato consumado e impacto no mundo do trabalho já é sentido em diferentes áreas. Escassez de talentos é o principal desafio para as empresas e a formação avançada em Matemática é oportunidade para atender a demanda. A inteligência artificial (IA) já faz parte do nosso cotidiano há muito tempo. Empresas e governos utilizam essa tecnologia há anos para otimizar processos, predizer demandas, automatizar ações e aumentar a eficiência. Ainda assim, os últimos anos

Continuar lendo »
Notícias

3ª Revista EnsinE traz pesquisa sobre escolas, memória e infância

Revista EnsinE chega a 3ª edição e reafirma a vocação para pesquisa e divulgação científica da instituição. Não é fácil fazer ciência no Brasil, ponto. Pesquisadores e cientistas no Brasil enfrentam grandes desafios, principalmente pela falta de recursos financeiros, instabilidade dos investimentos e burocracia excessiva. Na ciência, a maior parte dos salários são baixos, as condições de trabalho precárias e as vagas escassas. Além disso, há pouca colaboração entre academia, indústria e governo, o que acaba limitando a aplicação dos resultados

Continuar lendo »
Educação Física

Extensão no exterior: como projeto da EnsinE levou aluno aos EUA

A extensão universitária transforma carreiras e abre portas. Prova disso é a história de Leandro Guerra, o estudante de Educação Física da EnsinE que hoje está nos Estados Unidos em um projeto que treina times infantis de sub-9 e sub-10. A educação superior ideal é bem mais do que só um período de estudos intensos. Ela é também uma experiência transformadora que molda o futuro de indivíduos e comunidades. O MEC exige dos níveis mais elevados de organização acadêmica, as

Continuar lendo »
Notícias

Coordenadora de Arquitetura publica artigo sobre iluminação natural – EnsinE

Estudo sobre iluminação natural em poços de luz sugere revisões na legislação urbana e traz importantes reflexões sobre a legislação urbana e a sustentabilidade nas construções. Pode parecer contraditório, mas em 2020 as casas e residências se tornaram os espaços mais importantes da vida coletiva. Isso porque atravessávamos os piores momentos da pandemia de Covid-19, quando quem pôde, ficou em casa para evitar o contágio. Foi durante esse período que a coordenadora dos cursos de pós-graduação em Arquitetura da Faculdade

Continuar lendo »

Estamos de recesso nesta quinta-feira

No dia 13 de junho, todos os setores da EnsinE estarão em recesso.

Se precisar de atendimento, envie-nos uma mensagem que responderemos assim que estivermos de volta!

Até logo!